Tereza Bodemer

"Tudo posso, em Deus, que me fortalece!"

Textos

 

Amor e caridade,
na prática,
o que realmente exige
de nós?



Lições de vida (01)
Na pratica da caridade





No texto bíblico há uma passagem onde se conta que um jovem rico perguntou ao Mestre, o que deveria fazer para herdar a vida eterna; ao que Jesus lhe respondeu:     
 "- Vende tudo o que tem, reparte com os pobres, e segue-me." O jovem encheu-se de tristeza, mas não atendeu ao 'conselho', antes virou-se e foi embora. E o Mestre então exclamou: "- É mais fácil um camelo passar pelo fundo de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus." (Mateus 19:21-23)

Em outra passagem, conta-se que um casal cuidava dos valores juntados pelas colheitas financeiras dos seguidores de Jesus Cristo, cujo dinheiro era para pagar as despesas do trabalho de evangelização e cura, bem como para ajudar os pobres, viúvas e órfãos. Mas eles não foram achados dignos, como conta a passagem bíblica (Atos dos Apóstolos, cap. 5:1-10) e acabaram mortos pelo poder de Deus.

Desde o Velho testamento, ensinado é ao Povo de Deus, que devemos ajudar ao próximo, porque isso é sábio, e produz bons frutos perante Deus e os homens.

Eclesiastes 11:1-2 = "Distribua com generosidade o teu pão como se o atirasse sobre águas e depois de algum tempo o receberás de volta. Reparte com sete e mesmo com oito o que tens, pois não sabes que desgraça pode vir sobre a terra."

Outra passagem bíblica nos ensina que quando um irmão tem necessidade e tendo nós condição de ajudar, não devemos despedi-lo sem que seja suprida sua fome.
Tiago 2: 14-16 = "De que adianta, meus caros irmãos, alguém proclamar sua fé, se não tem obras? Acaso essa fé pode salvá-lo? Se um irmão ou uma irmã estiverem necessitados de roupa e passando privação do alimento de cada dia, e qualquer dentre vós lhes disser:
“Ide em paz, aquecei-vos e comei até satisfazer-vos”, porém sem lhe dar alguma ajuda concreta, de que adianta isso?"

Todo o trabalho cristão é de ajuda ao próximo, do servir uns aos outros, do amor com que devemos nos amar e amar aos que conosco convivem.

Esse ensinamento de ajudar aos necessitados, fazendo o que em nós existir de condições para isso, traz para os nossos dias contemporâneos o que chamamos de fraternidade, solidariedade, empatia.

Devido ao mal que cresceu no mundo, paralelamente com o bem, que também muito cresceu e se multiplicou, as pessoas que querem ajudar ao próximo hoje em dia, mais devem fazer pelos seus e por aqueles que surgirem, do que dar dinheiro, por exemplo, a alguma 'ação de caridade', onde 'outras' pessoas vão usar as contribuições para fazerem 'caridade' aos necessitados.

Porém o que vemos atualmente é muita gente se enriquecendo sem trabalhar, só por conta do que arrecada para ajudar aos necessitados, e acabam ficando com a maior parte do montante, e distribuindo apenas alguma coisa para não ficar tão na cara a desonestidade.

Tudo bem que a pessoa que esteja 'trabalhando com ajuda ao próximo' também tenha suprida sua necessidade de se alimentar e vestir, com o que está trabalhando para angariar e distribuir aos necessitados.

Porém tem muita gente comprando casa e carro e fazendo viagens à passeio, com as contribuições recebidas dos 'generosos'. 

Tendo feito essa constatação, parei de contribuir com 'Criança esperança', por exemplo, porque com o dinheiro arrecadado não deveria ter nenhuma criança passando necessidade em todo o Brasil. Significa que os 'gastos' com o 'megalo evento' ficam bem mais 'altos e caros' do que o que 'sobra' para ajudar as crianças pobres. Daí fazem alguma filmagem de alguma instituição de 'caridade' que dizem que ajudaram, mas eles mesmos não tem nenhuma que possam dizer que foi contruida com os milhões de verbas arrecadadas para esse fim.

Devido a pandemia muita coisa tem mudado, inclusive a ida a igreja, o que me faz ter novos tipos de 'lucidez' e bom senso.

Pagamos tantos impostos para os governos (municipal, estadual, federal) utilizar nas ações sociais que necessitamos, como segurança, infraestrutura, saúde, educação, e desse dinheiro muito é roubado e mal administrado, gasto sem critério nem responsabilidade com que deveria ser, devia aos maus gestores, e fiscalização deficitária - pra se dizer o minimo, que começo a achar que o dinheiro que nos sobra deveriamos usar para fazer nossas próprias caridades e trazer bem estar para nós mesmos e nossas família, e algumas pessoas mais que Deus coloca no nosso caminho.

Acabo por perceber que não preciso fazer mais do que devo, porque o que realmente importa é o que sinceramente faço, de coração, para contribuir com o mundo em que vivo.

Mas agradeço a toda ajuda que tive até aqui, por tudo o que tive que viver, aprender, superar, para chegar a mentalidade cristã que hoje tenho. Estarei indo na igreja, sim, quando sentir necessidade. Mas vou agir 'com moderação' quanto a alguma contribuição financeira que eu fizer. Se eu puder ajudar, vou ajudar. Mas não vou 'fugir' da responsabilidade que devo ter comigo mesma, com o que conquistei de vitórias e independência moral e financeira, para por na mão de 'outras pessoas' o compromisso de fazer a 'minha caridade'.

Chego a conclusão, portanto, que quando eu for fazer minha oferta, ela será mais razoável, sem excessos. Afinal, é o que eu faço de bom e de correto, de sincero e justo, o que estará a abrir as portas do céu para mim, desde aqui na terra e na vida eterna que busco e sigo, guiada pelos ensinos de justiça e amor que aprendo todos os dias, graças a Deus.

Pois, num tempo onde a liberdade é uma busca desenfreada, não preciso de gente me julgando e dizendo o que devo ou não fazer, já que sei o que é certo e errado.

E, se eu errar, somente meu arrependimento e auto-correção, com oração e exercitando o perdão, entre minha consciência, e Deus, é que poderei, realmente, ter um lugar mental, espiritual, onde eu sinta paz e alegria.

Não quero mais ninguém me julgando!
Eu me julgo! Olhando para dentro de mim, me analiso, me corrijo e vou me aprimorando.

E Deus conhece o coração de cada pessoa, e do que fazemos recebemos os frutos. Isso é fato, que se pararmos para observar, vemos acontecendo todo dia à nossa volta. Quem faz o mal fica 'por cima' por quanto tempo? Eis a questão... A justiça dos homens dá conta disso, quanto mais a justiça de Deus.

Fazer o 'nome' com o dinheiro dos outros é muito fácil.
Cada um que vá a luta e conquiste, que da minha fé e obra cuido eu e Deus.  Amém!




 
Maria Tereza Bodemer
Enviado por Maria Tereza Bodemer em 12/04/2021
Alterado em 23/06/2021


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras